artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Teatro

Como agarrar um marido antes dos 40
Isabel Bonorino

Gênero criado por Martins Pena na primeira metade do século XIX, leva público ao teatro e faz alegria de diretores gaúchos

Casais, adolescentes, homens e mulheres de diversas idades assistiram à nova temporada da peça "Como agarrar um marido antes dos 40", de Cláudio Benevenga, no teatro Carlos Carvalho da Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre. Se no público havia alguma interessada em agarrar um marido, não se pode afirmar, afinal ninguém assumiu ter ido assistir à peça em busca de um manual ou bula sobre o assunto, mas sim pelo título que sugeria boas gargalhadas.

"Não interessa se ela é coroa,
panela velha é que faz comida boa."


A música utilizada já na entrada do público dá o tom do que vem pela frente. Lúcia, interpretada por Marlise Damine, é a advogada quase quarentona que sofre de TPM. Desesperada por ainda estar solteira às vésperas de seu aniversário, ela divide seus medos com a prima com quem mora no centro de Porto Alegre. Débora, papel de Suzi Martinez, é a psicóloga, aparentemente equilibrada, separada pela segunda vez, que demonstra tranqüilidade e desinteresse por relacionamentos, ocupando seu tempo com trabalho, leitura e saídas ocasionais, mesmo que seja sozinha, caracterizando a típica mulher moderna, independente e bem resolvida. As duas dividem o apartamento com Dalva, Denizeli Cardoso, a empregada metida e debochada, que acaba roubando a cena com sua atuação hilária, recheada de crendices e ditados populares, que garantem a comicidade da peça. Após afirmar que mulher que não casa antes dos quarenta fica encalhada, a doméstica cria o ambiente para envolver as primas na busca por um marido para Lúcia no curto período de seis meses. A partir desse momento, se desenrola o roteiro que mostra as situações tragicômicas que muitas mulheres já passaram ao encarar um novo relacionamento e as expectativas de que o mesmo possa se transformar em um compromisso mais sério, no caso de Lúcia, um casamento. O ponto alto da peça não é o final que, conforme opinião de alguns entrevistados, mereceria uma revisão, mas sim quando a supersticiosa Dalva incorpora a Rola Lola, uma espécie de entidade, provavelmente inspirada na "pomba-gira" dos umbandistas, que acaba orientando a desesperada advogada em sua empreitada em busca de um marido e leva o público às gargalhadas que tanto esperavam.

O mesmo diretor de `Como emagrecer fazendo sexo' conta que para escrever a peça se inspirou em uma amiga que estava na faixa dos 40 anos. Bem sucedida profissionalmente, ela não conseguia ter nenhum relacionamento amoroso e começou a se incomodar extremamente com o fato. Encantado com o universo feminino, que ocupa boa parte de seu repertório, Benevenga, que também está com 40 anos, passou a pesquisar mais sobre o tema, colher informações, conversar com amigas e observar as mulheres em geral a fim de retratar a fase que muitas que optam pela carreira atravessam: chegar aos 40 anos sem ter encontrado um marido, um companheiro e sem ter formado a própria família. Roteirizar o tema pareceu uma boa idéia e, cerca de dois anos depois, a peça estava pronta. Também escritor, ele faz na peça a reflexão sobre a fase que chama de `meio da vida` e os questionamentos que tanto mulheres quanto homens se fazem ao chegar aos 40 anos: o que querem para suas vidas a partir daquele momento.

Feedback nas coxias

Em janeiro de 2008, o diretor selecionou as três atrizes, que tiveram desde o começo um bom entrosamento, apesar de não se conhecerem, fato que garantiu o sucesso com o público na estréia em junho, após três meses de ensaio. Observador, o diretor assiste não só à peça, mas também à reação da platéia. Dos bastidores, confere o resultado de cada uma das falas e cenas que escreveu e dirigiu. Vem do público o retorno imediato de seu trabalho em forma de risadas e comentários. Para ele é comum ver "mulheres na platéia se cutucando ou comentando ao ver determinadas cenas e se identificar ou lembrar de situações como as enfrentadas pelas personagens", relata divertido e satisfeito.

O resgate dos que não iam

Benevenga é publicitário, mas trabalha com teatro há vinte anos, primeiro como ator e depois explorando sua criatividade para fazer cenário, figurino e produção. Para ele, "é complicado viver de arte, no Brasil e, principalmente, no Sul, é pior ainda. Precisa ser multimídia", afirma. Ele lembra ainda que há 20 anos não existia público para teatro no estado, sendo que, com as comédias mais leves, o público começou a modificar a opinião sobre as montagens gaúchas. Segundo o diretor, o marco dessa abertura foi a peça "Se meu ponto G falasse", que resgatou, entre o público de teatro, pessoas que não iam ver montagens gaúchas por preconceito com a produção local, além disso, outro segmento foi captado: pessoas que não iam por simples falta de hábito. Para ele, o sucesso da comédia de costumes, que aborda temas do nosso cotidiano de forma engraçada, beirando o deboche e a ironia, se dá por garantir momentos de alegria e descontração para um público que enfrenta um mundo numa época cada vez mais complicada e sai de casa em busca de diversão e de uma hora de boas risadas. O gênero, que tem como criador o francês Molière, é considerado por muitos o mais característico do teatro nacional e teve como principal representante o escritor Martins Pena, que caracterizou com bom humor o cotidiano da sociedade brasileira na primeira metade do século XIX.*

Tocando no assunto

Benevenga conta que em 1997, escreveu seu primeiro texto teatral e para sua surpresa recebeu por ele o prêmio da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. `A verdadeira história do Titanic` logo foi montada em Porto Alegre e estimulou-o a persistir no caminho das artes cênicas. Na seqüência, escreveu "Esse pitéu é uma parada" e "Como emagrecer fazendo sexo", peça que em três anos já atingiu mais de 80 mil espectadores em todo o estado.

O vencedor do Prêmio Açorianos de Melhor Ator Coadjuvante e indicado ao Prêmio Açorianos de Melhor Texto Original em 2005 já tem planos para o próximo ano. O novo projeto já tem nome: `Próstata`, peça em que o autor pretende retratar, pela primeira vez em sua carreira, o universo masculino. Para isso, já iniciou a pesquisa de campo, indo inclusive consultar um proctologista e sentir literalmente na pele uma das situações se não temidas, mais evitadas por grande parte dos homens brasileiros: o exame de próstata. Graças ao preconceito e ao machismo, o câncer de próstata, que poderia ser identificado, controlado e combatido com o simples exame de 'toque', é uma das maiores causas de mortes de brasileiros, segundo estatísticas do Ministério da Saúde. Se assim como na abordagem da TPM feminina, Benevenga conseguir fazer os homens rirem de si mesmos e de seus medos, desmitificando temas e tabus em favor de uma vida mais saudável e com menos preocupações, já terá alcançado o sucesso, mesmo que haja uma única apresentação com apenas um homem na platéia e ele, de repente, se toque!

*A comédia de costumes caracteriza-se pela criação de tipos e situações de época, com uma sutil sátira social. Proporciona uma análise dos comportamentos humanos e dos costumes num determinado contexto social, tratando freqüentemente de amores ilícitos, da violação de certas normas de conduta, ou de qualquer outro assunto, sempre subordinados a uma atmosfera cômica. A trama desenvolve-se a partir dos códigos sociais existentes, ou da sua ausência, na sociedade retratada. As principais preocupações dos personagens são a vida amorosa, o dinheiro e o desejo de ascensão social. O tom é predominantemente satírico, espirituoso e cômico, oscilando entre o diálogo vivo e cheio de ironia e uma linguagem às vezes conivente com a amoralidade dos costumes. Antologia de comédia de costumes. Flávio Aguiar.


13/08/2008

Compartilhe

 

Comentários:

Há datas para apresentação nos dias 22 ou 29 de agosto de 2009?
Favor retornar com valores!
Aguardamos com urgência.
Rotary Club Uruguaiana Santana Velha, Uruguaiana/RS 05/07/2009 - 17:33

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "121109" no campo ao lado.
 
  

 

  Isabel Bonorino

Isabel Bonorino é jornalista, radialista e relações públicas. Musicista, dedicou-se ao canto lírico de 1995 a 2005, atuando como soprano nos corais da Ospa e PUC. Foi colaboradora da Revista Literária Blau e produtora/apresentadora na Rádio da Universidade, onde criou o programa "UFRGS em Canto". Atualmente é produtora e repórter da TV Assembléia.

isabel@artistasgauchos.com.br
twitter.com/ISAbonorino


Colunas de Isabel Bonorino:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na