artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Reflexão

Triste gerúndio
Rubem Penz

"Eles se separaram" pode ser uma frase triste, e às vezes nem isso.
"Estão se separando" é que é triste mesmo.

Rubem Braga

Ao ler esta passagem do velho Braga me peguei a pensar em como são mais sofridas as ações e reações negativas quando no gerúndio. Como se vê, “separar-se” pode nem ser má notícia – sabe-se lá o quanto de sofrimento represado não encontrou fluidez com o rompimento. Porém, o cronista reconhece que o processo, mesmo quando depurador, é bem triste. Outros exemplos:

“Ele está morrendo” é muito mais triste do que “ele morreu”.

“Ela está acabando comigo” é muito mais dramático do que “ela acabou comigo”.

“Estamos chorando sem parar” é muito mais trágico do que “choramos sem parar”.

A irrefreável reverberação gerundiana não só nos coloca dentro do acontecimento, como usurpa seu desfecho. Se morreu, morreu, fim. Se acabou, acabou, pronto. Se choramos, que tenha sido até secarem as lágrimas! Dali, bola ao centro. Mas se a coisa não cessa, aí já é sacanagem. Sofrer no gerúndio beira o masoquismo.

O melhor tempo para conjugar tristezas é o passado, sem dúvida. Por mais danoso que seja o que houve, o que sentimos ficou para trás. Sofrimento no presente, se inevitável, também me serve: é ruim, dói, nos custa. E encaramos. O futuro, para o mal e para o bem, sempre será uma abstração (apesar de conhecer sofredores clássicos que se antecipam). Referir lamentos no gerúndio, para além de dramático, quase rouba a esperança.

Almas pesadas, crivadas de culpa e dor, nunca sofreram, sofrem ou sofrerão – estão sofrendo. Carregam a dor consigo nos bolsos, nas horas, no andar arrastado. Muitas vezes, como diz o samba de Arnaldo Antunes e Marisa Monte, a dor “é o meu troféu, é o que restou, é o que me aquece sem me dar calor”. Tristeza no gerúndio já é de estimação. Quem escolhe lamentar-se no gerúndio pode, em casos patológicos, estar auferindo prazer.

E a alegria? Bom, parece que para ela vale esticar o tempo. Quem não aprecia estar namorando, estar sorrindo, gostando, ganhando, gozando? Assim, em pleno processo. Sem data para parar! Ah, maravilha... Mesmo que, aos olhos mais realistas, seja prenúncio de apenas estarmos nos iludindo. Triste gerúndio.


02/04/2019

Compartilhe

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "494301" no campo ao lado.
 
  

 

  Rubem Penz

Publicitário, escritor e músico. Orientador da oficina literária Santa Sede, crônicas de botequim - projeto iniciado em 2010 com, em 2018, 14 publicações e dois prêmios (Açorianos de Literatura como Destaque Literário e Livro do Ano AGES com A persistência do amor, Ed. Buqui). Entre outros veículos, foi colunista do Metro Jornal entre 2012 e 2018. Compõe o Conselho Editorial do IEL e o corpo docente da Metamorfose, StudioClio e Casamundi Cultura. Entre os livros publicados estão O Y da questão (Literalis), Inter Pares (Literalis), Enquanto Tempo (BesouroBox) e Greve de Sexo (Buqui).

rubempenz@gmail.com
www.rubempenz.net
www.facebook.com/rubem.penz


Colunas de Rubem Penz:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na