artistasgauchos












Desenvolvido por:
msmidia

Literatura

As muitas dores de nossas colunas
Rubem Penz

Comparar o jornal com um organismo humano não é novidade. Vinícius de Moraes já o fez, por exemplo, em 1953. Escreveu o poeta: “Se o editorial é o cérebro; os tópicos e as notícias, as artérias e veias; as reportagens, os pulmões; o artigo de fundo, o fígado; e as ‘secções’, o aparelho digestivo...” Por isso, é pouca ousadia atribuir às colunas dos veículos a função de espinha dorsal. A questão é: seriam as colunas, igualmente, responsáveis por algumas dores? Talvez.

Coluna de jornal, por exemplo, pode sofrer de escoliose: um considerável desvio para a esquerda ou para a direita. Caso isso aconteça, o jornal deve tomar cuidado para não perder o prumo, algo cujas sequelas afetam o corpo todo. Nestes momentos, um segundo articulista pendendo para o outro lado é uma solução. Pode, também, o editor cuidar de corrigir o desvio, ou vai ficar evidente a inclinação, o que compromete a credibilidade. Isto é, partindo do pressuposto de que a proposta do veículo seja a de estar aprumado.

Coluna do jornal também pode padecer gravemente de cifose (corcunda). Se quem escreve baixa demais a cabeça, rápido ficará torto, a ponto de parecer diminuído. E, com o passar dos anos, estará menor mesmo, pois quando a corcunda se torna estrutural, a coluna não consegue voltar à postura altiva de outrora. Um segundo motivo de ter a coluna comprometida pela cifose é o de passar o tempo inteiro olhando para o próprio umbigo. Quando vê, a coluna está com um texto anão (o leitor, já no primeiro parágrafo, perde a paciência: Ah, não!).

A lordose cervical excessiva é outro mal que acomete colunas de jornal, com outro nome: soberba. O famoso nariz empinado acentua a curvatura até o ponto de ser patológico. A coluna jura que é inatingível porque não vê quem está por baixo, mas corre o risco de tropeçar feio. A lordose lombar tem duas implicações. Hiperlordose: empina a bunda do jornal, tornado-o atraente. Pena que pela estética errada. A hipolordose faz o contrário: deixa o jornal circulando com as nádegas apertadas. Horrível: parece que está sempre se segurando.

Supondo a crônica também ser coluna, a minha, como andaria? Ora, sou zeloso pela boa postura desde os tempos de educação física. Além disso, posso me socorrer do Vinícius outra vez. Segundo ele, a crônica, no jornal, não é coluna: é seu coração. Escapei? Nada disso... Coração, às vezes, dói muito mais.


05/12/2012

Compartilhe

 

Comentários:

Maurem, é, talvez tenhas razão... Obrigado, abraços, Rubem
Rubem Penz, Viamão/RS 07/01/2013 - 23:21
Rubem, adorei as imagens propostas e penso que, guardadas certas proporções, vale para qualquer autor em qualquer meio de expressão, mesmo que ficcional.
Abraço!
Maurem Kayna, Guaíba 07/01/2013 - 17:04
Obrigado, Helô!
Rubem Penz, Viamão 27/12/2012 - 11:56
Adorei teu texto, Rubem. Sensacional!
Heloisa Bacichette, Caxias do Sul 27/12/2012 - 09:33
Obrigado, Marcos!
E o pior: entre os tratamentos, o escritor não pode se alongar, pois há limite de caracteres! :-)
Abraços, Rubem
Rubem Penz, Viamão/RS 14/12/2012 - 18:46
É, a coluna pode não ser o centro das atenções, mas com certeza, se for mal cuidada ela acaba pondo o jornal na cadeira de rodas. Gostaei da metáfora.

Abraço.
Marcos de Andrade, Passo Fundo/RS 14/12/2012 - 15:16
Caro Lúcio, lembremos de Walter Franco ao estar defronte ao teclado: tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo!
Grato, abraços, Rubem
Rubem Penz, Viamão/RS 10/12/2012 - 15:33
Olá, Rubem.
Gostei do texto, vou tentar corrigir minha postura daqui pra frente. Abs.
Lúcio H Saretta, Caxias do Sul-RS 10/12/2012 - 14:39

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "215906" no campo ao lado.
 
  

 

  Rubem Penz

Publicitário, músico e escritor. Baterista/percussionista do Grupo Versão Brasileira e de outras formações instrumentais e de MPB. Vice Presidente da Associação Gaúcha de Escritores (AGEs). Produz crônicas semanais para jornais, publica em revistas e em seu blog, o Rufar dos Tambores. Publicou O Y da questão e outras crônicas (Literalis) e Inter Pares (Literalis), além de organizar as antologias Santa Sede – crônicas de botequim Safra 2010 (Literalis), 2011 (Fábrica de Leitura) e 2012 (Literalis), e de participar de publicações coletivas. Ministra oficinas literárias de crônicas, gênero que professa com devoção.

rubempenz@yahoo.com.br
www.rubempenz.com.br/
www.facebook.com/rubem.penz


Colunas de Rubem Penz:


Os comentários são publicados no portal da forma como foram enviados em respeito
ao usuário, não responsabilizando-se o AG ou o autor pelo teor dos comentários
nem pela sua correção linguística.


Copyright © msmidia.com







Cursos em Porto Alegre

Cursos de Escrita

Cursos para escritores

Confira cursos e oficinas exclusivos feitos especialmente para escritores ou aspirantes a escritores.

Mais informações


Cursos de Escrita

Oficinas literárias

Oficinas de criação literária e escrita criativa em Porto Alegre.

Mais informações

 


Livros em destaque

O Guardião da
Chave Dourada

Airton Ortiz

Fundamentos à prática de revisão de textos

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil

 

compre nossos livros na