Antonio Cicero na orelha de Metal

"O final do poema ?garrafas jogadas ao mar? ? considerado por mim como um metapoema que bem retrata o que se passa em tantos dos esplêndidos poemas que se leem em Metal ? diz:

não lembro se sempre foi assim
mas o tempo presente
se estende ao passado
e lá me encontra em silêncio
o silêncio sim é o mesmo
tenho certeza

De fato, o que a verdadeira poesia faz é, através da anulação perversa da efetividade das distinções, classificações e regras da linguagem, do pensamento e da temporalidade convencionais, seduzir-nos a reencontrar um modo de experimentar o ser que havia sido relegado ao olvido ou, antes, ao silêncio, precisamente por efeito dessas mesmas distinções, classificações e regras. Recuperar diferentes momentos desse modo de experimentar o ser não é das menores recompensas proporcionadas pela leitura deste belo livro, como, aliás, de toda verdadeira poesia."

Antonio Cicero



 

 

acessos: 249267  | Site desenvolvido pela msmidia.com