Maurício Melo Júnior sobre "Metal" no programa Leituras, da TV Senado

"...um desses renovadores é Ricardo Silvestrin. No seu novo livro Metal, lançado pela editora Artes e Ofícios, ele explora com mais densidade seu discurso marcado por um incrível poder de síntese. O chavão poderia apontar a condição de músico de Ricardo Silvestrin como condutor do ritmo e da síntese que marcam sua poesia. A questão não é tão simples. Ricardo vem de uma linhagem de leitor profundamente ferrada pelos argumentos de Mario Quintana e Manuel Bandeira. Daí a síntese, um humor e sobretudo o lirismo. Desta maneira, os versos vão diluindo os dramas e mostrando uma vida não necessariamente boa, mas indiscutivelmente necessária e válida. Um otimismo que cria esperanças e, melhor, formaliza uma poesia de qualidade, mesmo quando dialoga com os movimentos estéticos mais recentes.”

 

 

acessos: 249314  | Site desenvolvido pela msmidia.com