SEGURO

Ninguém pode viver numa canção
como no útero protegido da mãe.
Uma hora vai sair,
a canção tem que acabar.


Há músicas dissonantes e inacabadas,
partituras para executar o silêncio,
baquetas quebradas,
cordas rompidas.


Sobra a melodia da fala,
linear e rala.


Ninguém,
se alguém não for assim,
me diga.
Ninguém fez seguro
contra infelicidade.




 

 

acessos: 249239  | Site desenvolvido pela msmidia.com