VIRGÍLIO

Queimem este poema,
pois estou morrendo
e não tive tempo
de o revisar como queria.


Queimem, não o deixem
ver a luz do dia, eu peço.


Augusto, nobre amigo,
Mecenas, escuta o que eu digo,
apaguem este texto
como se apaga o sol
no crepúsculo.


Ninguém deu ouvidos
ao poeta moribundo,
e, até hoje, a Eneida
é um dos maiores
poemas do mundo.



 

 

acessos: 249262  | Site desenvolvido pela msmidia.com